O novo cliente do varejo: quais inovações adotar para vender mais

O novo cliente do varejo: quais inovações adotar para vender mais

Últimos posts por Milton Goetten de Lima (exibir todos)

Nos últimos tempos, muito se tem falado sobre o novo cliente do varejo e seus anseios. Isso se deve ao fato de que os acontecimentos recentes, em especial a pandemia, mudaram significativamente o cenário do varejo.

A corrida para o meio online foi alta. O e-commerce teve aumento de 126% só em maio. Nesse contexto, então, os lojistas encararam uma nova necessidade: estabelecer novas estratégias para se adequarem ao novo cliente. E, ainda, inovar, surpreendendo, mantendo as vendas e fidelizando.

Vale dizer, entretanto, que, para determinados nichos, a adaptação não é tão simples assim. No varejo de calçados e confecções, por exemplo, há uma necessidade muito grande e permanente de experimentar, sentir o tecido, averiguar se o sapato tem o tamanho ideal e outras coisas do tipo.

Ainda assim, haverá mudanças visto que agora os consumidores conhecem a experiência de se comprar virtualmente e veem pontos positivos nisso. 

A aposta é que são clientes que pesquisam online inicialmente e depois vão até à loja comprar. A questão é: como melhor a experiência deles então? 

Neste artigo, vamos te ajudar com isso. Acompanhe a leitura!

O comportamento do novo cliente do varejo

Comprar em uma loja online virou uma necessidade aos consumidores que encararam o distanciamento social. Foram obrigados a incorporar novos hábitos de compra.

Surgiu um impeditivo ao ir até à loja física, mas a prática não foi deixada de lado, na verdade, o novo cliente do varejo tem enxergado como uma forma de complementar uma compra online.

Mesmo com a reabertura das lojas físicas em alguns lugares, 24% dos brasileiros entrevistados apontam que irão passar a comprar a maior parte dos seus itens online e a outra parte menor em lojas físicas, de acordo com um estudo da Google.

Essa parte menor muito provavelmente são itens como os já mencionados, roupas e calçados que exigem certa experiência física para agradar o cliente. 

Contudo, agora, ele não vai à loja para conhecer os produtos. Ele já tem muitas informações depois de ter pesquisado na internet e possui certo nível de decisão. Por isso, provavelmente, vai passar menos tempo na loja.

Espera-se, então, que, ao chegar na loja física, ele possa ter uma experiência diferenciada que possa convencê-lo a comprar de fato.

É esse, pois, o papel do lojista para se adequar ao contexto: apresentar o produto de uma forma melhor, expandir as formas de comunicação e oferecer uma experiência inovadora.

Como inovar e se adequar ao novo consumidor

O novo cliente do varejo tende a passar menos tempo nas lojas físicas e já chega mais decidido. Cabe ao comércio avaliar as estratégias de venda e de comunicação para se adequar e continuar vendendo.

Para começar, listamos algumas possibilidades para isso:

Apresente o produto de uma forma melhor

Ao chegar na loja, o novo consumidor já sabe muito sobre o que tem lá depois de horas pesquisando na internet e visualizando, inclusive, seus concorrentes.

A comunicação e experiência ali são a arma de convencimento. Procure, então, além de descrever os produtos de uma forma diferente da loja online, apostar na experiência sensitiva do próprio contato físico com os produtos.

Invista e inove em visual merchandising

Com a passagem mais rápida do cliente pela loja, a estratégia de visual merchandising é fundamental e deve ser inovadora. Em lojas de roupas, por exemplo, o ideal é deixar as peças básicas para as prateleiras, já que são itens mais simples.

O ambiente, nesse caso, fará parte da experiência incrível do cliente e, por essa razão, deve ser muito confortável. É necessário que ele sinta fazer parte de algo exclusivo.

O marketing sensitivo também pode ser uma boa opção. Uma playlist específica de acordo com seu nicho pode ajudar, um estudo e aplicação de psicologia das cores também.

Outros sentidos, como o olfato, também podem ser explorados, por exemplo, com um bom perfume. Tudo isso impacta a experiência do cliente e gera uma memória sensitiva muito mais afetiva.

Experiential retail e retailment: continue inovando

Além dessas possibilidades sensitivas, é possível inovar ainda mais para gerar experiências que conquistam e fidelizam.

O experiential retail – varejo experimental –, por exemplo, é uma prática de marketing de varejo em que os clientes entram no espaço físico e recebem uma experiência além do tradicional.

Pode-se, assim, fornecer um espaço para que os clientes tirem foto. Um simples cenário – chamado de lugar instagramável –, mas muito bem composto para que gere uma boa foto compartilhável pelos consumidores em suas redes.

Além do foco em experiential retail, também é viável pensar em outra tendência: o retailment. Esse nome é a junção das palavras retail e entertainment, um conceito que evidencia uma nova possibilidade ao varejo: levar entretenimento e experiência à loja física. 

Uma das possibilidades é o chamado “slow sell”, focado em criar ambientes mais calmos e confortáveis ao consumidor, fazendo com que eles gostem de ir até o lugar simplesmente para estar por lá.

Ofereça diferentes meios de pagamentos

As diferentes formas de pagamento também podem fazer parte da experiência do cliente. 

Oferecer crediário, por exemplo, faz com que a loja se destaque no mercado, evidencia confiança nos clientes, enriquece o relacionamento entre marca e consumidor, e ainda possibilita atender às necessidades de diferentes clientes.

Continue investindo nas formas de comunicação online

Se o novo cliente do varejo pesquisa e esmiúça um produto na internet, o seu negócio precisa estar posicionado de forma chamativa no meio online. Por isso, investir e ampliar as formas de comunicação virtualmente continua sendo uma boa estratégia.

Procure aplicar técnicas de copywriting para as páginas de vendas de produtos e posicione sua marca de acordo com os valores do seu público nas mídias sociais.

Para esse último caso, vale dizer que o novo cliente está atento ao posicionamento das marcas e, ainda, procurando por empatia, socialização e escuta, ou seja, relacionamentos verdadeiros.

Em momentos críticos como a pandemia, os consumidores dão valor aos negócios que mostram gerar impacto, de alguma forma, na comunidade. Nesse contexto, uma boa estratégia é levar ao cliente novas maneiras de usar seus produtos e, se for conveniente, ser transparente em relação ao processo de produção.

Em resumo, tomando certos cuidados e boas práticas para vender, sem excesso de informação online e com boas experiências físicas, é plenamente possível se adequar ao novo cliente do varejo e continuar retendo e fidelizando.

Agora que você já sabe que precisa inovar, que tal conferir mais dicas para ajudar no crescimento da sua loja? Continue a leitura acessando nosso blog!

Publicado por: Milton Goetten de Lima