Receitas financeiras: entenda como elas podem gerar novos ganhos para o seu negócio

Receitas financeiras: entenda como elas podem gerar novos ganhos para o seu negócio

Dentre todas as funções administrativas de um negócio, a gestão financeira pode ser a mais complicada. A quantidade de operações, tributos e rendas costumam deixar gestores menos experientes um pouco perdidos.

Mas, para além dessas preocupações, um conceito precisa ser bem compreendido pelo empreendedor: as receitas financeiras.

Tratam-se de opções de renda complementar que o seu negócio pode estar perdendo e você nem sabia.

Portanto, se você trabalha com vendas prazo e ainda não conhece as receitas financeiras, precisa ler esse artigo agora mesmo.

Neste artigo vamos explicar como funcionam essas receitas, como elas são tributadas e de que forma sua empresa pode se enquadrar nesse vantajoso sistema.

Continue lendo para saber mais.

O que são receitas financeiras?

As receitas financeiras são direitos que as empresas têm sobre o valor da venda de produtos ou da prestação de serviços. Um exemplo muito comum é o recebimento de juros por aplicações financeiras ou pagamentos a prazo.

Basicamente, tudo o que uma empresa ganha além das próprias vendas se enquadra nesse tipo de receita. No caso de vendas parceladas, o cliente realiza o pagamento com juros ou acréscimos financeiros para compensar atrasos.

E esses pequenos acréscimos, além de gerar um lucro extra para o comerciante, também são tributados de forma diferente.

É por isso que a maioria dos analistas financeiros realiza o cálculo das receitas financeiras fora do lucro operacional do negócio.

O motivo é simples: só pode ser considerado lucro operacional o que vem diretamente da venda de produtos ou serviços.

Como se caracterizam as receitas financeiras?

Existem diversos tipos de transações que podem ser enquadradas nesse tipo de receita. Algumas empresas, por exemplo, utilizam o excedente de caixa de um certo período para aplicar no mercado financeiro.

O dinheiro permanece aplicado até que seja retirado para ser investido novamente na empresa ou mesmo para pagar dívidas. O ganho proveniente da aplicação estaria entre as receitas financeiras.

Outro exemplo é quando a empresa realiza o pagamento indevido ou excessivo de tributos.  Nesses casos, ela tem direito a uma restituição e o dinheiro que retorna é considerado uma receita financeira.

O mesmo ocorre com prêmios de resgate de títulos ou debêntures e também nos rendimentos por aplicações em renda fixa.

No varejo, um dos modelos mais comuns de receita financeira é a taxação sobre atrasos no pagamento parcelado.

Como as receitas financeiras impactam o negócio?

Primeiramente, é importante compreender o que pode ou não ser considerado receita financeira por causa da forma de tributação. Você verá mais detalhes sobre tributos e taxas em seguida, mas é importante saber que estas receitas não costumam ser tributadas da mesma forma que o lucro operacional da empresa.

Isso porque as receitas financeiras são uma oportunidade de ganho extra para a empresa além das suas vendas. O investimento em renda fixa, por exemplo, impede que o dinheiro fique parado em caixa sem gerar qualquer oportunidade de lucro.

Algumas empresas inclusive adotam o fornecimento de serviços complementares às suas vendas para gerar receitas financeiras. Oferecer seguros e assistências é uma forma simples de aumentar a lucratividade por meio desse modelo de receita.

Para empresas que buscam ampliar suas receitas financeiras, o modelo de vendas a prazo acaba se mostrando mais vantajoso.

Afinal, desde que você consiga receber pelas vendas, quanto maior for o número de pagamentos a prazo, maior será o montante que o negócio recolherá do consumidor na forma de juros e multas por atraso.

A consequência? Maiores índices de rentabilidade para a sua empresa.

Como funciona a tributação de receitas financeiras

A tributação das receitas financeiras ocorre principalmente por meio do PIS e COFINS. No entanto, essas taxas não incidem da mesma forma sobre todos os negócios.

Na prática, essa questão vai depender do regime de tributação da sua empresa. Confira, abaixo, como a tributação funciona nos três principais regimes:

Regime cumulativo

Os contribuintes sujeitos ao regime cumulativo têm como fator gerador do PIS e COFINS o faturamento. Para quem está neste regime, somente as receitas relacionadas à atividade principal da empresa são tributáveis.

Nas empresas do varejo que trabalham com vendas a prazo e estão sujeitas a esse regime, por exemplo, as receitas financeiras não são tributáveis.

Somente no caso dos bancos, que trabalham justamente com essa atividade fim, ocorre a incidência de PIS e COFINS sobre receita financeira.

Regime não cumulativo

Empresas sob o regime não cumulativo de tributação devem pagar impostos sobre receitas financeiras, mesmo que elas não sejam geradas a partir da atividade principal do negócio. Isso ocorre em todos os casos, a não ser que exista exceção legal.

Nesse caso, até mesmo os comércios precisam pagar a tributação sobre receitas financeiras, mas com alíquotas diferenciadas de 0,65% (PIS) e 4% (COFINS).

Regime concomitante

Existem casos especiais de empresas que se encaixam tanto no regime cumulativo quanto no regime não cumulativo.

Para elas, considera-se somente as alíquotas do regime não cumulativo e as receitas financeiras são tributáveis, não importando se foram geradas pela atividade fim do CNPJ ou não.

Existem empresas isentas de tributação?

Algumas empresas são imunes do pagamento de imposto de renda de pessoa jurídica (IRPJ). Quem se enquadra nessa situação, como igrejas e ONGs, não possui tributação de receitas financeiras tanto no caso do PIS quanto do COFINS.

Empresas que são isentas do pagamento de IRPJ, como associações de moradores, devem pagar a alíquota diferenciada do COFINS de 4%.

Antes de realizar a declaração de imposto de renda, é importante que o responsável pela empresa confira a situação do negócio. Assim, é possível saber se ela é imune ou isenta do pagamento de IRPJ e também à tributação das receitas financeiras.

Usando o código de situação tributária da operação também é possível descobrir se ela é tributável por PIS e COFINS ou não.

O conceito de receitas financeiras não é exatamente simples, no entanto, depois que é dominado, pode trazer novas oportunidades de renda para seu negócio, inclusive algumas delas não tributáveis.

Gostou da leitura? Temos mais conteúdo relevante aqui no blog da Rede Brasil Crediário para gerar novas receitas para seu negócio. Acompanhe nossas atualizações e fique por dentro dessas oportunidades.

Publicado por: Rede Brasil Crediário